segunda-feira, 16 de junho de 2008

À Descoberta da Santrilha

À Descoberta do concelho de Carrazeda de Ansiães levou-me de novo ao lugar de Sentrilha, na freguesia de Pinhal do Norte. Encaixada entre fragas, passa despercebida a tudo e a todos, sendo um local completamente desconhecido, até para muitos habitantes no concelho.

No Domingo à tarde que a revisitei, encontrei mais pessoas na rua, do que em muitas conhecidas aldeias por onde passei! Junto da pequena capela, no largo, logo à entrada, ou à sombra do chorão, são locais aprazíveis para se descansar um pouco. É que, na Sentrilha, talvez ainda se viva em vizinhança, aproveitando a tarde quente do Domingo para conversar com os restantes habitantes, como uma família.
Desta vez, levava um objetivo concreto: conhecer a lagareta escavada na rocha granítica, de que já ouvira falar. O diálogo com as pessoas é fácil. Sou praticamente vizinho (basta atravessar a Serra do Pinhal) e encontrei quem me levasse ao sítio certo. Estava à espera que fosse fora do perímetro das casas, mas é mesmo no meio delas, por detrás da capela.
Esta lagareta consiste numa depressão, com cerca de meio metro de profundidade, escavada no granito, com inclinação para poente. Há um entalhe, mais ou menos retangular, numa posição superior. Nesse entalhe, seriam possivelmente esmagadas as azeitonas, escorrendo depois a mistura para a depressão, fazendo-se a separação por decantação. Imagino que seria um trabalho fastidioso, dada a pequena dimensão do lagar. Esta estrutura é de cronologia indeterminada. Imagino que possa ser da idade média, uma vez que a rocha foi escavada com bastante rigor, no bordo, em semicírculo.

Tive ainda a possibilidade de visitar a pequena capela, cuidada com muito dedicação. Apesar de pequena, recebeu recentemente a visita de D. António Moreira Montes, bispo da diocese Miranda-Bragança. Esta visita é também fruto do carinho que o sr. Padre Bernardo tem pela Sentrilha. O interior é muito simples. A talha foi restaurada, o teto revisto e a forro é novo.
Percorri o pequeno povoado. A par de algumas casas abandonadas, há outras mais recentes, onde com certeza não faltarão as comodidades da vida moderna.
Indiferente à minha visita, ficou o simpático burro, que, desta vez, não abriu a porta (é real!) para me ver passar. Mas outra porta se abriu, a de uma adega, para me dar a provar o bom néctar que estas fragas produzem.

7 comentários:

Anónimo disse...

Tenho 18 anos e sou residente em Santrilha.
Não poderia passar por este site sem deixar a minha humilde opinião.
Fiquei muito surpreendida quando me deparei com as encantadoras fotos da minha aldeia,e também em saber que ainda existe alguém que valoriza as nossas paisagens...
Felicito-o por isso, e espero que continue a proporcionar-nos estes pequenos e bons momentos...

Xo_oX disse...

Viva
Já que mora na Sentrilha, pode tirar-me esta dúvida: escreve-se Sentrilha ou Santrilha? Nalguns lugares está de uma forma e noutros de outra! Ontem consultei mesmo um livro de arqueologia estava Santrilha. No site da câmara de Carrzeda está Sentrilha. Falando à moda dos de carrezeda, será sempre Santrilha, mesmo se escrito com um E.
Espero ainda voltar à Sentrinha. Quem sabe até fazer uma passeio a pé, desde Zedes até à Sentrilha, passando pela Felgueira. Só necessito é de tempo, vontade não me falta.

Nélia disse...

Olá professor Aníbal

Antes de mais quero também agradecer o facto de divulgar as nossas localidades. Acredito que muitos nem sequem saibam que esta aldeia pertence ao concelho de Carrazeda.
Também nasci na pequena aldeia de Santrilha (e com muito orgulho).

Quanto ao nome da aldeia, será sempre Santrilha, ainda me recordo da altura que a nossa câmara começou a utilizar Sentrilha (a meu ver, erradamente). Para nós será sempre Santrilha, sempre. O nome de uma aldeia faz parte da sua identidade...
Professor, passe nesta aldeia sempre que a sua vontade o pedir, será sempre bem recebido.

Muito obrigada

Nélia

fernando disse...

boas....
tenho 18 anos e fui residente na santrilha...ja ha uns tempos que nao... actualmente estou em gstaad na suiça... mas a santrilha e um lugar magnifico... nao perco oportunidade de la estar sempre que posso....
estou longe e comovi me ao ver as fotos da minha linda terra...
aguardo por mais...
obrigado por este trabalho

zp disse...

Caros primos,também eu aqui na póvoa fico muito contente por ver fotos da "nossa" Santrilha, é realmente um lugar magnifico que estará sempre no nosso coração.

Anónimo disse...

Ola!

Vim parar a este blog numa pesquisa, e pela curiosidade e envolvência acabei a ler "Á Descoberta da Santrilha".

Pelas imagens e pelos temas, e, desconhecendo eu Santrilha e mesmo Carrazeda de Ansiães, envolvi no texto, que me fez recuar, sobretudo a minha infância e tempos de menino...

Sem duvida que ama-mos onde nascemos, onde vivemos, onde passamos a nossa infância e crescemos. Mais tarde vemos esse enorme orgulho que significa a nossa terra.

Quero falar do que me fez recordar, do viver na harmonia com a natureza. Sem duvida alguma! Lembro-me assim da minha infância, do crescer a solta, aprender a nadar no rio de águas ricas e transparentes, onde eu apanhava girinos, que naquela idade chamava de (peixes cabeçudos)andar com os pés descalços pelos carreiros e campos…ir aos ninhos e observar as crias a serem alimentadas…Descascar ouriços com o calçado enlameado e saborear a doçura de uma castanha acabada de cair do castanheiro…
Hoje vejo que poucos são os sítios da nossa infância que permanecem intactos e belos, e é num olhar de mim, que vejo esse local chamado de Santrilha, um lugar belo! Onde se vive na harmonia com a Natureza.

Apesar de não ser transmontano nem viver nessa região, a minha vontade é muita para conhecer Santrilha!

cumprimentos

Anónimo disse...

Um dos sitios mais bonitos de Portugal que está sempre no meu coração....muito brinquei com a minha amiga Nélia e saltei naqueles montes..lembro de ir buscar água à fonte com a minha querida avó Mercês entre muitas outras coisas....

Aldeia bonita de Portugal!