quinta-feira, 31 de maio de 2012

Frutos de maio

Apetitosas cerejas no Bairro Novo em Pinhal do Norte.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

O moinho de vento, em Carrazeda de Ansiães

O moinho de vento, em Carrazeda de Ansiães, há muito que "vigia" quem entra na vila, da sua posição altaneira. A idade deu-lhe estatuto que estendeu às casas em redor, o Bairro do Moinho do Vento. Eu sempre o conheci assim e lembro-me de lhe ter feito uma "visita de estudo" num dos anos seguintes à revolução dos cravos, era ainda criança. A sua ruína talvez até nem seja muito antiga, uma vez que muitas pessoas ainda dele têm memória.
Foi pertença do Dr. Orlando e, posteriormente adquirido pela Câmara Municipal. Mesmo em tempo de crise, houve vontade e coragem para a sua recuperação. As obras estão praticamente concluídas, faltando apenas as velas.
Esta fotografia foi ficando aqui esquecida no computador, mas, quando no domingo passado visitei o interior do moinho, pude verificar que está operacional, falta apenas captar a energia para fazer rodar toda a engrenagem.  Só no domingo teve mais de 200 visitantes, foi, portanto, uma abertura em grande.
Há ruínas de outro moinho de vento em Mogo de Malta e, ao contrário do que se diz por aí, no alto do castelo, em Vilarinho da Castanheira também ainda conserva a estrutura de um antigo moinho de vento. Nas terras vizinhas, apenas conheço estruturas semelhantes na Lousa, concelho de Torre de Moncorvo.

domingo, 27 de maio de 2012

Rua Sra dos Aflitos

Já há bastante tempo que a entrada em Carrazeda de Ansiães anda em obras. Recentemente as coisas melhoraram e já se fazem os arranjos finais.
Também a rua Sra dos Aflitos, que muitos desconhecerão, foi melhorada e, posso afirmar, que está fantástica. Saindo da Fonte das Sereias em direção às últimas casas do fundo da vila (não seguindo a rua Sacadura Cabral, que indica direção Vila Flor, mas seguindo à direita, entra-se na rua Nossa Senhora dos Aflitos). Penso que deve esse nome à existência de um nicho antigo (recuperado, mas com muito mau gosto). Esta saída da vila já existia, mas o piso deixava muito a desejar. Com as obras mais recentes, além de um novo piso, há lugares de estacionamento e foram plantadas árvores, criando um espaço muito airoso e agradável.
Essa rua vai dar à Luís de Camões à entrada de Carrazeda, por baixo do Moinho de vento (que espero visitar ainda hoje).

sábado, 26 de maio de 2012

III Rota das Maias - Pombal, 20 de Maio

 A Associação Cultural e Recreativa de Pombal de Ansiães (ACRPA) organizou no dia 20 Maio a III Rota das Maias, percurso pedestre pelo temo da aldeia com passagem por algumas vizinhas.
O mês de maio já se assumiu há muito como o mês do coração, por isso as caminhadas são frequentes por todo o lado, criando o hábito e o gosto por caminhar, aliado ao convívio, contacto com a natureza e até oportunidades gastronómicas interessantes.
Mesmo sem grande publicidade ao evento a ARCPA conseguiu juntar perto de uma centena de pessoas prontas para percorrerem mais de uma dezena de quilómetros numa freguesia em que a possibilidade de traçar percursos planos é muito reduzida.
Tal como comentei durante a caminhada, é possível que a organização tenha escolhido os melhores percursos da 1.ª e na 2.ª edição, mas, nesta altura do ano haverá algum caminho que não seja agradável de percorrer?
A concentração aconteceu às nove horas junto à sede da Associação, tendo o caminhada iniciado poucos minutos depois. Percorridas a rua da Escola, a rua da Capela e a rua do Concelho o trajeto afastou-se da aldeia pela tão famosa calçada romana. Esta calçada de cronologia indeterminada, mesmo não sendo romana, não deixa de ser local interessante para visitar, tal como as restantes calçadas existentes no concelho. Não sei se repararam, mas junto da ribeira há um marco com a data de1851.

Quando chegámos à estrada  EN314-1 pensava que iríamos em direção a Paradela, mas junto à ribeira do Frarigo mudámos de direção começando a subir uma encosta íngreme com vinha.
O tempo estava muito instável, com frio e ameaças de chuva a qualquer instante. Se por um lado não havia calor, por outro o ar encontrava-se saturado de água, o que também não é propriamente agradável para a respiração. Mas o grupo seguia animado, começando a fracionar-se consoante a velocidade adequada a cada um. Escusado será dizer que rapidamente fiquei na cauda do pelotão! Além de tentar fotografar os participantes, não queria desperdiçar este percurso sem registar as belas paisagens e, se possível, alguns exemplares interessantes da flora ou formações rochosas. Como não fazia ideia do percurso, não sabia o que viria a seguir.
Consegui algumas fotografias panorâmicas do Pombal. Há anos que não o via assim. Depois de encontrar o caminho de terra batida que une Pombal a Areias, senti-me de novo orientado, em terrenos que já conhecia.
O percurso desenvolveu-se numa zona de pouco declive, paralelamente à ribeira que desce do Pinhal, contrastando com os picos quartizíticos do Seixigal. A capela de Santa Marinha anunciou-me de novo território conhecido. Há pouco mais de ano que andei por ali num largo passeio pelos locais interessantes de Pinhal do Norte. Um pouco mais adiante, depois de passar sob a estrada vi à direita a Senhora dos Aflitos, mas não tive tempo para lhe fazer uma visita. Seguia nesta altura completamente sozinho, com o grosso do grupo já distante, à minha frente, e um pequeno grupo, também distante, atrás de mim. Pensei que o reforço seria no centro do Pinhal, ali pelo largo do Terreiro, com tantas coisas interessantes para rever, mas não aconteceu.
 As ruas do Pinhal estavam cheias de rosas, rosa, mas principalmente vermelhas. Apeteceu-me afrouxar o passo, consolar-me com a beleza das imagens, ou com o sabor das cerejas maduras que já espreitavam das cerdeiras. A aldeia parecia meia adormecida, muitos idosos foram nesse dia em passeio a Salamanca, onde foi também a minha mãe.
Depois de deixar as últimas casas de adivinhei a descida para o vale do Tua. Entusiasmava-me a ideia. Depois de tantas vezes palmilhar o fundo do vale, ao longo da linha, ia conhece-lo de cima, de um ângulo completamente novo. À direita, mesmo sem ninguém para mo confirmar, percebi que havia um cabeço que seria o Castelo ou Castelejo. Neste morro granítico existem vestígios de um povoado da Idade do Ferro.
Absorto na paisagem que se estendia do Castelejo até ao outro lado do rio onde se exibia Franzilhal, quase tropecei no grupo que já se deliciava com um apetecido e apetecível reforço.

A mesa estava farta, capaz de abrir o apetite ao mais fiel cumpridor de dietas. Desde presunto, chouriço, torresmos, rissóis, bola de carne, marmelada, fruta, água, sumo e... querem ver que se esqueceram do vinho?! E esqueceram mesmo. A verdade é que não fez falta e o percurso que seguimos era tão inclinado e escorregadio que qualquer copito de tinto (com o grau habitual do Pombal), teria dificultado as coisas.
Saciada a gula, mais do que a fome que era pouca, o caminho seguiu por entre vinhas até atingir a Linha do Tua, perto da foz da Ribeira das Loiras. Conheço cada curva do rio e imaginei o apeadeiro do Tralhão, escondido atrás de uma ravina mais saliente.
Rio e linha fazem um acentuada curva respeitando os caprichos da natureza. Este lugar, de nome Ferrado, parece distante de tudo o que é civilização, mas há muito que foi explorado pelo homem como o provam os restos de tégulas que os romanos por aqui deixaram espalhadas.
Entre momentos de sol abrasador e grossas gotas de chuva que teimavam e refrescar-nos a fronte, fomo-nos aproximando da linha. Nessa altura já eu seguia acompanhado por alguns caminhantes do Pombal que me confessaram terem tomado imensos banhos no Tua, no local com o nome de Poço Chorido. Deve ali ter existido em tempos uma azenha. O açude e o próprio leito rochoso do rio criaram uma represa que fazia as delícias da garotada no pico do verão.
 O percurso ao longo da linha tinha aproximadamente 2 quilómetros. Aqui não são as vistas largas que enchem os olhos mas é a harmonia, o abandono, o domínio da rocha e da água, a sensação de que a natureza nos acolhe no seu recanto mais íntimo e nos enche paz, de tempo até para esquecer o tempo, porque o que é bom é para ser vivido devagar.
As casas de S. Lourenço, ou o que resta delas, tornaram-se visíveis. Da estação subimos às termas onde o tempo parece ter parado. Um grupo de pessoas continuava à espera da sua vez para um banho cálido e revigorante; à porta do pequeno soto assomou a mesma cara, com os mesmo óculos, como se o tempo tivesse parado há décadas atrás; só as ruínas estão mais ruínas porque os pinheiros altos e vigilantes nas casas cimeiras continuam lá, testemunhando as histórias que talvez um dias as águas serenas da barragem venham a submergir.
A caminha terminou no caldas de S. Lourenço. O autocarro da câmara transportou os participantes para a sede da ACRPA, onde iria ser servido o almoço. Para não ficar à espera, eu e mais algumas pessoas, fomos subindo a encosta a pé. Tanto subimos que acabámos por fazer todo o percurso até ao Pombal.
O almoço foi preparado pela Associação à base de carne, sardinhas assadas e arroz branco. O salão transformou-se numa enorme sala de restaurante onde nada foi colocado ao acaso. As saladas, as frutas, os próprios talheres foram colocados nas mesas com gosto, próprio de quem tem prazer naquilo que faz.
Como já é habitual, para comer aparecem sempre mais uns quantos. Não consegui perceber se também havia inscrições só para o almoço, mas penso que sim. Almoçaram mais de uma centena de pessoas, sem pressas, num ambiente alegre e de amizade. Não faltou o tão afamado vinho do Pombal, de consumo mas também tratado, tão velho que parecia licor. Terminado o repasto, tomámos um café no bar da Associação e demos por terminada a missão que nos levou ao Pombal.
 Em jeito de balanço só posso dar os parabéns à organização.O percurso foi interessante e diversificado; a marcação estava exemplar, poucas vezes vi um trabalho tão bem executado; o reforço e o almoço estiveram para além de todas as expectativas. O grupo de caminheiros, esse então é sensacional. A maior parte tem-se encontrado nas caminhadas pelo conselho organizadas pela Câmara Municipal. Quanto às gentes do Pombal em geral e aos corpos gerentes da ACRPA em especial, a sua disponibilidade e simpatia são o melhor que a aldeia tem para oferecer e fizeram-nos sentir em casa. Só tenho pena de ter perdido as duas primeiras edições.
 Mais fotografias:

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Trilho do Castelo - 13 de Maio 2012

 
Mais algumas fotografias tiradas no dia 13 de Maio de 2012 no Passeio Pedestre realizado em Lavandeira, Castelo de Ansiães, Marzagão e Selores.
A reportagem pode ser lida aqui e aqui.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

quinta-feira, 17 de maio de 2012

Trilho do Castelo - 13 de Maio (2.ªParte)

Vista parcial de Marzagão
Continuação de: Trilho do Castelo - 13 de Maio (1.ªParte)
Entusiasmado com o Castelo de Ansiães perdi-me do grupo! O percurso oficial do Trilho do Castelo foi alterado levando a caminhada a Marzagão. Não é coisa que me tenha incomodado, mas para não ser agradável anunciar um percurso de 5,3 km e alarga-lo mais de 10!
Interior da Igreja Matriz de Marzagão
Junto à Igreja de S. João Baptista o percurso deixou a estrada e meteu por um caminho que desce o vale em direção ao Douro. Há tempos que sonhava conhecer este vale, mas não me senti muito à vontade. O carro vassoura já tinha passado e foi recolhendo as marcações existente. Um companheiro da caminhada apercebeu-se da minha ausência e esperou por mim. Não sabíamos se estávamos no percurso certo e não conseguimos apreciar a paisagem como pretendíamos.
Apesar de toda a área ter ardido à poucos anos, há muita vegetação. Algumas manchas não arderam, outras recuperaram parte da vegetação. Havia muita erva e de vários locais corria água que se juntava no ribeiro da Ferradosa para se precipitar no Rio Douro.
Exterior da Igreja Matriz de Marzagão (e S. João Batista)
 Quando nos pareceu que podíamos inverter o sentido descendente e tentar alcançar Marzagão, fizémo-lo e foi a opção correta. Ficámos mais sossegados quando chegámos à Igreja Matriz, pouco depois de terminar a Eucaristia. A festa de Nossa Senhora do Rosário aconteceu dia 6 de Maio e a igreja ainda ostentava uma roupagem florida exuberante. Mas não precisava. A igreja de S. João Baptista da paróquia extra-muros do castelo de Ansiães foi transladada para aqui no ano de 1575. A ela estiveram ligadas mais de metade das atuais paroquias do concelho, tendo Marzagão um papel invejável na vida religiosa (e não só) do concelho.É um templo que visito muitas vezes, mas nunca me canso de apreciar o trabalho em talha dourada dos altares, os caixotões do teto, as imagens...desta vez o que entusiasmou foi apreciar a imagem de S. João Baptista que era exibida na igreja mãe, no castelo!
Sobremesas, em Selores
Mais seguros do caminho a seguir, dirigi-mo-nos em direção ao cemitérios e depois à Quinta da Abeleira. Esta é uma grande exploração de maçã, sendo este uma das principais produções agrícolas também em Selores e mesmo na Lavandeira.
Sargaço (em Mazagão)
Atingimos a a estrada municipal 632 sabendo que todo o grupo nos levava um grande avanço. Seguimo-la até Selores. Pretendíamos "saltar" a visita à igreja para termos hipótese de visitar a capela de S. António, em Alganhafres, era uma oportunidade rara de a encontrarmos aberta. Acabámos por desistir de Alganhafres. Havia um grupo de pessoas na igreja que nos informou que o almoço já estava a ser serviço na antiga Escola Primária da aldeia. Acabámos também por entrar na igreja e dar por termino o nosso percurso pedestre.
Altares laterais da Igreja Matriz de Selores
A igreja matriz de Selores, de orago de S. Gregório, é de arquitetura religiosa, seiscentista e barroca. Igreja de planta retangular composta por nave e capela-mor. Fachada principal em empena truncada por sineiras. O retábulo-mor de talha barroca joanina.
Entradas, em Selores
Dirigimo-nos ao local do almoço. Depois da longa caminhada, com momentos de bastante calor, o apetite já era muito. Tivemos direito a entradas, com presunto, rissóis e bolinhos de bacalhau. O prato principal foram panados com arroz seco e alface, servido depois de uma sopa de legumes. Houve ainda como segundo prato rojões. De sobremesa tivemos direito a laranjas, maçãs e diversos tipos de bolos.
A refeição foi mais uma vez servida pelo serf-service D. Miguel, de Carrazeda de Ansiães, mas muitos dos alimentos que mencionei foram da responsabilidade da Junta de Freguesia de Selores.
Almoço (Selores)
Durante este trilho andei constantemente atrasado, não conseguindo acompanhar o grupo. Isso fez-me perder as preciosas explicações da arqueóloga e não tirei muitas fotografias ao grupo. Não sei se também foi culpa minha não perceber o percurso. Não adianta distribuir um panfleto com um percurso que não é seguido. A refeição em vários espaços e sem lugar para todos se sentarem também foi algo conturbada. É complicado comer de faca e garfo, segurando o prato, o garfo, o copo, etc. Isto também se deveu ao crescente número de participantes, aos quais se soma um bom grupo de pessoas responsáveis pela logística.
O descanso depois da tarefa concluída
O Trilho do Castelo tem um conjunto de ingredientes que fazem dele único no conjunto de todos os percursos sinalizados. Quer pelas ruínas do castelo, quer pelo conjunto de templos, ou ainda pela paisagem que se avista do castelo. A somar a estes ingredientes houve também o facto desta caminhada acontecer em Maio, mês das flores. Posso ter andado sempre atrasado em relação ao grupo, mas não perdi a oportunidade de captar alguns exemplares da flora que muito chamam à atenção nesta altura do ano.
Trilho do Castelo Sinalizado (5,3 kms)
GPSies - Trilho do Castelo
Percurso realizado em 13-05-2012 (10,6 kms)
GPSies - Trilho do Castelo (modificado)

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Trilho do Castelo - 13 de Maio (1.ªParte)

Interior da igreja de Santa Eufémia
No dia 13 de maio, domingo, mais de uma centena de caminheiros optaram por passar uns bons momentos ao ar livre participando no Percurso Pedestre organizado pela Câmara Municipal de Carrazeda de Ansiães, com o apoio das Juntas de Freguesia de Lavandeira e de Selores.
Adivinhar-se um percurso interessante, quer pela paisagem que se avista do castelo, quer pela visita a uma série de monumentos (além do castelo de Ansiães) muito interessantes e representativos no património construido do concelho.
Bandeira com Santa Eufémia
O grupo é assíduo, mantendo-se com pequenas variações desde a primeira caminha (esta foi a quarta). Gente de todas as idades, com constituição física e  interesses diversificados mas que gosta de fazer estes percursos pedestre e de participar nos convívios que a eles estão associados.
Pequeno almoço no Largo do Campo da Bola
O ponto de encontro foi no largo de Santa Eufémia, bem no centro de Lavandeira. O autocarro da autarquia transportou para o local mais de uma centena de participantes. Tal como como já disse, os interesses são diversificados mas uma visita à  bonita igreja matriz quase ninguém dispensou. Desde a minha última visita a Lavandeira, que não foi à muito tempo, notei a ausência dos leões junto à imagem de Santa Eufêmia. Soube que foram retirados para deles se fazer uma réplica, para serem colocados junto de outra imagem da Santa que existe na Casa dos Milagres. É curioso porque no último texto que escrevi para o jornal O Pombal, falei precisamente desses leões e do que eles significam.
Reza a lenda... que se ouvem os sinos da Sé de Braga
O interior da igreja (incluindo a sacristia) é digno de admiração. Os caixotões do teto contam muitas histórias e houvesse tempo para os admirar. Todos partiram em direção ao antigo campo da bola onde seria servido o pequeno almoço. O espaço é adequado, o tempo estava de feição e a Junta de Freguesia não se poupou a esforços para satisfazer o apetite de tanta gente, quer em quantidade quer em qualidade. Também não faltaram flores nas mesas.
Explicações sobre a história de Ansiães
Como novidades (para mim) neste percurso para o castelo refiro uma gravação numa rocha, a que chamaram "pegada de Nossa Senhora" e outra formação natural onde diziam que se "ouviam" os sinos da Sé de Braga. Esta história dos sinos suou-me a familiar e não fosse eu alertar os mais próximos de mim algum tinha caído na tentação de testar a audição. Achei interessante que tivessem assinalados estes pontos curiosos, mas não apreciei a aplicação de tinta spray nas rochas.
Aspeto do recinto dentro de primeira muralha
No pelotão da retaguarda lá consegui cegar ao castelo. A "multidão" já estaca acomodada para ouvir as explicações históricas sobre o monumento.
Nunca tinha visto o interior das muralhas tão limpo de vegetação. tal deve-se ao facto de estarem a decorrer obras de limpeza dos caminhos e  reconstrução de um torreão. Espero que os arqueólogos no terreno tenham os devidos cuidados para não destruírem. Estas pedras não são simples pedras são o esforço, história e possivelmente o sangue de uma região.
No Vértice Geodésico (810 metros de altitude)
Juntamente com um pequeno grupo de pessoas trocámos a visita ao interior da igreja de S. Salvador por uma subida ao ponto mais alto das muralhas. O dia estava luminoso e queria aproveitar a oportunidade de subir até ao Marco Geodésico no alto da muralha que assinala os 810 metros de altitude. Não me arrependi da opção.   Vale a pena subir ao topo do castelo para apreciar 360 graus de Carrazeda, desde a Vila, até ao pinocro de Fontelonga ou no sentido oposto, onde o planalto de desfaz ao encontrar  o leito do Douro.
Apetecia-me ficar por ali mais algum tempo, mas, entretanto, o grupo já se preparava para abandonar as muralhas, em direção a Marzagão.

Entrada no recinto muralhado pela Porta da Vila
Continua...

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Quinta da Senhora da Ribeira


A Quinta da Senhora da Ribeira é uma das mais belas propriedades do Douro e está situada 24 km a montante da Quinta do Bomfim, no remoto Douro Superior. A quinta possui uma localização privilegiada na margem norte, sobranceira a um extenso meandro do Douro, directamente oposta a outra famosa propriedade da Symington: a Quinta do Vesúvio.
A Quinta da Senhora da Ribeira foi construída junto a uma antiga passagem do rio, guardada por dois castelos do século XII, em cada lado do rio, construídos pelos Mouros durante a sua centenária ocupação da Península Ibérica. A quinta deve o nome a uma pequena capela centenária devotada à “Senhora da Ribeira” que existia no local. Os viajantes paravam aqui para rezar por uma passagem segura do rio antes de prosseguirem viagem.

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Rostos transmontanos - Pombal

Um rosto conhecido de muitos de nós, da altura em que o sr António fazia a venda ambulante de pão, o famoso pão de Pombal de Ansiães.

quarta-feira, 2 de maio de 2012

Rostos transmontanos - Linhares

Rostos transmontanos - Linhares

terça-feira, 1 de maio de 2012

Chegou Maio

Uma bonita fotografia tirada no termo de Zedes para assinalar a entrada do mês de maio, entre outras coisas o mês das flores.
Um cumprimento a todos os trabalhadores e o aos que procuram trabalho.
BOM 1ª de MAIO.