domingo, 27 de abril de 2008

XX Feira do Livro, em Carrazeda de Ansiães


Hoje fui à XX Feira do Livro, em Carrazeda de Ansiães. Tal como no ano passado, cheguei muito cedo, a feira só abria às 16 horas. Aproveitámos para fazer um curto passeio pela vila, à procura de novidades.
Pouco depois das 16 regressámos ao Salão de Festas do Bombeiros Voluntários de Carrazeda de Ansiães, onde já se ouvia a alegre música do Rancho Folclórico de Selhariz. A música era animada e os bailarinos muito jovens, por isso não faltou alegria e muita rapidez nos passos de dança. Convidaram a assistência para uma dança, mas eu não tive coragem.
A nossa fasquia era 2 livros por pessoa, o que daria 8 livros, mas acabámos por comprar só sete. A mim tocaram-me quatro (alguém da família se absteve)! Quem quer partir À Descoberta do concelho, pode fazê-lo também pela literatura. É uma área bem interessante, até pelo leque de autores locais, que escrevem frequentemente sobre o concelho. A minha escolha recaiu sobre “A Festa de Santa Eufémia – Lavandeira” de Hélder de Rodrigues; “Carrazeda de Ansiães Suas Terras e Suas Gentes”, de Arcelina Samorinha; “Ecos do Pensamento”, de João Cardoso e “Pombal de Ansiães: A Terra e a Memória”, de Fernando Augusto de Figueiredo. Quando cheguei a casa desfolhei o primeiro, que me pareceu bastante caro. Além da qualidade das fotografias ser do pior que já vi, consta na página 103 uma Anta de Zedes, que eu desconheço completamente! Espero que não haja mais erros destes e que o texto mereça o preço do livro.
Da organização da feira aponto mais dois aspectos menos simpáticos: o bar dos bombeiros estava fechado! Será que não estão interessados em fazer algum dinheiro? Não passam qualquer factura na compra dos livros, nem um simples comprovativo de que os mesmos já foram pagos. Um dos meus filhos foi questionado se tinha realmente pago o livro que trazia. Não é obrigatório por lei a passagem de um recibo?
Saímos ainda com tempo de um longo passeio à Senhora da Ribeira, mas essa é uma história para outro dia.

3 comentários:

Blue Eyes disse...

Obrigada por nos ter 'trazido' um bocadinho da feira do livro...visto que este ano não pude estar por esses lados.

Boas reportagens.

Anónimo disse...

O Prof. não conhece a anta de Zedes?
Não é assim que é conhecida?

Xo_oX disse...

Conheço a Anta de Zedes bastante bem. Acontece que a anta que está na fotografia (do livro) não é a Anta de Zedes!