quarta-feira, 25 de agosto de 2010

2.ª Memorável Caminhada de S. Bartolomeu - Parambos

No dia 22 de Agosto realizou-se, em Parambos, a 2.ª Memorável Caminhada de S. Bartolomeu. Realizada por altura das festas da aldeia em honra de S. Bartolomeu, é organizada por um grupo de amigos dinamizadores e visitantes do blogue Viver Parambos. Este grupo tem feitos vários percursos na natureza, alguns na Linha do Tua. Desde o seu arranque que mantenho um estreita ligação com o blogue e com os seus responsáveis, por isso, decidi fazer-lhe uma surpresa.
Levantei-me muito cedo, antes do nascer do sol! Às sete da manhã estava em Parambos para inicial a caminhada. Foram chegando pessoas, com a cara ensonada, vindos de todas ruas e bairros da aldeia. Os próprios organizadores não queriam acreditar na adesão!
Quando nascia o sol estávamos a atravessar o campo de futebol de 11 de Parambos em direcção à Fonte de Seixas. Com um percurso estimado em pouco mais de 13 quilómetros, a caminhada prometia a passagem por dois locais arqueológicos importantes e semelhantes: a Fonte de Seixas e a Fraga da Aborraceira.
O grupo era heterogéneo, juntando crianças e jovens e alguns adultos que há muito tempo que não percorriam tais caminhos.
A primeira paragem aconteceu na Fonte do Seixas, por vezes apontado como santuário da Idade do Bronze ou mesmo da Idade do Ferro. É um dos mais interessantes sítios de arte rupestre do concelho.
Descemos, depois pela encosta, lá para os lados da Quinta da Lavandeia em direcção ao Castanheiro. A aldeia de Ribalonga ainda se encontrava parcialmente nas sombras, mas o cenário era magnífico.
Depois de cruzarmos a Estrada Nacional 214 nas primeiras casas do Castanheiro, seguimos por caminhos rurais, alguns bem antigos em direcção à Quinta da Aborraceira. Alguns dos caminhos utilizados ficaram abandonados no tempo, sendo agora simples carreirões por onde apenas passa uma pessoa de cada vez.
Também esta parte do trajecto me deu muito prazer a fazer. Além do perfil das casas do Castanheiro, sempre recortado na linha do horizonte, o olhar desce as escarpas agrestes até à linha de água que corre entre as encostas, é o rio Tua. A seu lado, a centenária companheira Linha do Tua, que tanto gosto de percorrer. Avista-se o apeadeiro do Castanheiro e os túneis das Fragas Más. Despertaram-me a imaginação para outras caminhadas.
Pouco depois chegámos perto da antiga Quinta da Aborraceira, que deve ter sido um lugar esplêndido e cheio de vida, no passado. É hoje ocupada por uma família de alemães, que vivem de forma diferente e dos quais não vimos qualquer sinal.
Fizemos um pequeno desvio em direcção ao rio, de encontro ao segundo sítio arqueológico, a Fraga da Aborraceira. Há mais de 20 anos que tentei encontrá-la pela primeira vez, mas nunca cheguei perto dela.
A fraga tem gravados círculos, semi-circulos, ferraduras e cruzes. Trata-se de mais um exemplo de arte rupestre bem preservado, em parte semelhante a outros que existem no concelho. A posição frontal do sol não me permitiu as fotografias como eu desejava. Talvez , noutra altura, volta a visitar esta fraga.
Voltámos atrás, de novo em direcção à Quinta da Aborraceira onde alguns (menos curiosos) já nos esperavam e empreendemos o regresso a Parambos.
A paragem seguinte serviu para nos refrescarmos, bebendo água fresca (acompanhada de alguns deliciosos figos apanhas no momento), primeiro na Fonte da Presa e depois na Fonte Nova.
Chegámos ao centro de Parambos perto do meio-dia. Toda a gente estava satisfeita com a caminhada e faziam-se já planos para realizações futuras. Uma refeição em conjunto, à sombra do choupo, foi uma das ideias que foram lançadas que podem vir a ser postas em prática em próximas realizações. Eu acrescentaria uma pausa para o lanche, a meio do percurso, uma vez que cheguei ao fim do percurso com a minha apetitosa merenda intacta. Os caminheiros não mostraram intenções de fazer paragens muito demoradas.
Foi uma manhã fantástica. Para mim, uma manhã em contacto com a natureza, já é muito boa, mas esta que passei em companhia de amigos, ficará na minha memória por muito tempo.
Obrigado.

2 comentários:

at ento disse...

Olá Amigo Caminheiro e Companheiro.
muito nos honrou a tua presença e caminhar connosco, só nos faz sentir bem, e podemos dizer vaidosos por tal companhia e isso já bastava, mas ainda nos brindas com o teu saber fotografando e divulgando e com se não bastassa elaboras um prosa que nos delicia e nos estimula também a continuar a gostar, "gostar ainda mais" das nossas fragas e dos nosso caminhos que tão bem fixaste.
Estamos muito satisdfeitos com esta empresa que cada vez mais se torna um acontecimento, pois caminhar é bom, faz bem, liberta o espirito, descobre-se o maravilhoso esquecido e cimenta a amizade. A tua amizade só nos honra.
Abraço scom as nossas saudações amigas.
At Ento

O Bicho disse...

Um problema complicado (inflamação aguda) nos ligamentos do meu joelho esquerdo impediu-me de particpar no evento.
Acabei por ficar mais uns dias, bem agradáveis, com a perna de molho na piscina da Casa do Tua.
Espero voltar em 2011, se não for antes.