sábado, 28 de maio de 2011

À Descoberta de Ribalonga (1.ª Parte)

Quando, no início do mês de Março, escolhi Ribalonga como meu destino, fiquei cheio de expectativa. Era uma aldeia praticamente desconhecida para mim, uma vez que, apesar de a ter atravessado muitas vezes, poucas foram as que deixei a rua principal (com o bonito nome de rua da Amendoeira), para me aventurar nas ruas e becos que compõem o povoado. Uma excepção aconteceu no final da década de oitenta, já não sei precisar o ano, em que, acompanhado por pessoas da aldeia e alguns amigos caminhámos de Ribalonga até ao Douro, à descoberta da Fraga das Ferraduras e das pinturas rupestres do Cachão da Rapa.
Sempre que realizei alguns passeios nos termos de Parambos e Castanheiro do Norte o olhar fugiu em direcção ao vale, onde as casas parecem estar de tal forma integradas que seria difícil imaginá-lo sem elas. Foram as pessoas que assim o moldaram. À excepção de algumas pequenas parcelas de terra mais planas nas margens da ribeira da Lavandeira, tudo em redor é fruto do trabalho do homem que ao longo de muitas gerações construiu socalcos para segurar punhados de terra onde as oliveiras, amendoeiras, videiras e laranjeiras pudessem fixar as suas raízes. E não é precisa muita. A terra parece ter magia e as plantas crescem, viçosas, dando, ainda hoje, a maior parte do sustento àqueles que não cederam ao impulso da emigração.
A situação geográfica abençoa o vale, protege as suas colheitas e fá-las ficarem prontas cedo, antes do conseguido na zona da frieira, mais próxima da sede de concelho.
Ribalonga é a terra natal da minha tia e madrinha, tirada do calor da pequena aldeia soalheira e levada por meu tio para outra semelhante, algures nos arredores de Mirandela, onde tomaram conta da quinta de uma família abastada. Ali viveram até que o Criador se lembrou deles.
A porta de entrada em Ribalonga é a Estrada Municipal 634 que, desde já alguns anos, serve de alternativa à Nacional 214, que une Castanheiro do Norte a Foz-Tua.
O largo das Amendoeiras, junto ao coreto e ao lagar, é um dos pontos mais centrais e mais procurados da aldeia. Foi aí que estacionei o carro, fazendo todo o percurso de reconhecimento a pé.
O início da manhã em Ribalonga parecia o amanhecer no paraíso! Ouviam-se coros de pintassilgos, verdelhões, tentilhões, milheiros, etc. Todas as espécies de aves anunciavam a Primavera, já próxima. Uma poupa e um rabirruivo digladiavam-se pela posse de um buraco na parede de xisto de um armazém próximo. Sentei-me à sombra de um cedro enquanto preparava o material fotográfico e a "cábula" que me iria acompanhar na visita à aldeia. Para apreciar a beleza basta estar atento, e sensível, mas, para compreender alguma coisa da história que as pedras nos podem contar, é melhor recorrer à sabedoria dos livros.
A primeira surpresa tive-a mal dei os primeiros passos. Na parede há um bonito nicho com uma enorme imagem de S. Marinha. O gradeamento em ferro forjado ostenta o ano de 1992. Pereceu-me uma construção muito recente, mas, pelo que consegui apurar, não havia mesmo nada no local antes dessa data. S. Marinha é a padroeira de Ribalonga, santa de muita devoção. Ao longo da aldeia fui encontrar vários painéis de azulejos com representação desta santa. No séc. XVI já existia em Ribalonga a confraria de Santa Marinha.
Seguindo pela rua de Santa Marinha, encontra-se, pouco depois, um dos principais “postais” da aldeia. Trata-se de uma casa brasonada com uma capela. A pequena janela na parede lateral da capela despertou-me a atenção. Será que teria alguma função? Os pináculos da capela são diferentes dos da casa brasonada, mas igualmente bonitos. Fizeram-me lembrar os da igreja matriz de Marzagão ou da de Linhares. A capela tem o ano de 1766 e, mesmo sendo particular, é nela que está a imagem de Nosso Senhor dos Passos, presença habitual na procissão das festas de Santa Marinha a 18 de Julho.

Continua
À Descoberta de Ribalonga (2.ª Parte)

4 comentários:

Anónimo disse...

Parabens pelos belos comantarios sobre ribalonga

Anónimo disse...

Parabens pela bela reportagen sobre ribalonga

nocturnos olhares disse...

Olá companheiro.
Que bela reportagem, mas o momento sublime, que deu saudades e me despertou a memória do nosso pequeno e infortunado amiguinho que connosco caminhou até às Fragas das Ferraduras e as pinturas da Rapa, e da sua simpática família, Gonçalves, que tão bem nos recebeu e refrescou depois da calorada caminhada.
Belo momento, que nessa foto vivi do outro lado da máquina que fixou esse momento. Obrigado
Li Malheiro

Anónimo disse...

sendo eu de ribalonga e tal como tantos outros com saudades adorei o que vi e li sobre a minha mudesta aldeia que tao longe estou dela e hoje em particular com vontade de la estar para a festa de santa marinha obrigado a pessoa que teve a ideia de nos maravilhar ao ver a nossa aldeia obrigado