sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

À Descoberta de Pereiros 2/3

Continuação de - À Descoberta de Pereiros 1/3

Pereiros tem a sua história ligada ao concelho de Freixiel. A sua localização geográfica faz com que as deslocações fossem mais fáceis para Freixiel, ou Abreiro do que para Ansiães. Transpor o acentuado declive em direcção a Carrazeda de Ansiães, depois de uma noite de geada, era uma tarefa difícil para o autocarro, quando este começou a transportar os estudantes da aldeia para Carrazeda. Isto há poucos anos! Para atestar estas dificuldades nas vias de comunicação, ainda estão bem preservados restos de caminhos lajeados, lembrando as calçadas romanas. Quando se desce de Zedes para Pereiros, perto da estrada actual, há vários troços destes caminhos.
Não admira que as deslocações para Freixiel fossem mais fáceis, até porque, o termo da freguesia, estende-se até ao cume da Serra Tinta, a poucos quilómetros do Vieiro, muito para lá da ribeira da Cabreira. Nesta ribeira existiu uma ponte em madeira que permitia transpô-la. Na encosta da Serra Tinta existiu uma capela de que ainda são visíveis as ruínas.
No séc. XVI Pereiros integrava o concelho de Freixiel, pertença do Marquês de Vila Real e tinha 21 moradores . Em 1706 tinha 60 e em 1758, 112 moradores. Nos séculos XVIII e XIX a população evoluiu da seguinte forma: 1864, 635 habitantes; 1890, 753 habitantes; 1920, 645 habitantes; 1940, 728 habitantes; 1960, 684 habitantes; 1981, 524 habitantes (dados sempre referentes à freguesia e, por isso, incluindo os habitantes de Codeçais).
Em 1836, com a extinção do concelho de Freixiel, a freguesia de Pereiros (Pereiros e Codeçais) foi anexada ao concelho de Carrazeda de Ansiães.
Em 1967 Pereiros foi a capital de freguesia eclesiástica. Integrava as freguesias de Pereiros, Pinhal do Norte, Pombal, Zedes e Freixiel. A paróquia civil de Pereiros tinha 845 fogos enquanto que a de Carrazeda de Ansiães contava apenas com 536!
Deixei o Cabeço em direcção à igreja. Pouco depois de passar a Junta de Freguesia encontrei a Fonte Nova. Trata-se de uma bonita e bem preservada fonte de mergulho, onde corre sempre água fresca. Alguns peixes dão vida ao reservatório de água e há um tanque exterior para os animais beberem.
Junto à igreja está uma outra fonte, no Largo de S. Amaro. Neste largo realizava-se o arraial das festas da aldeia: Santo Amaro, a 15 de Janeiro e Nossa Senhora de Fátima, no segundo Domingo de Julho. Nos últimos anos também se tem realizado a Festa do Emigrante, em Agosto. Foi também neste largo que fui encontrar a anfitriã que me acompanharia na visita à igreja, onde foi catequista e é zeladora há muitos anos: Helena Borges. Esta anciã mantém uma vitalidade e lucidez invejáveis, sendo ainda procurada por muitas pessoas para lhe administrar injecções! É um dos meus familiares em Pereiros e, antes da visita à igreja, fizemos uma visita ao passado.
Durante muitos anos fez mantas de trapos, no tear, sendo solicitada por gente de várias freguesias, como Zedes e Freixiel. Recordei, com saudade, uma viagem que fiz a Pereiros, em menino, de burro, transportando sacos de trapos cortados em tiras, para a prima Helena, que morava no Cabeço, fazer uma manta. As encomendas eram tantas que chegaram a somar 80, não chegando o espaço em casa para tanto saco com tiras. Houve necessidade de montar uma estrutura em madeira de forma a guardar os sacos por cima das suas cabeças, junto ao telhado. Teceu linho e estopa, mas o grosso do seu trabalho foram as mantas, chegando a contar 23 mantas feitas num só mês. Havia outro tear na aldeia que fazia cobertores de lã.
Chegaram a existir 7 rebanhos de ovelhas e 2 de cabras na aldeia, mas actualmente não há nenhum.
A igreja é muito bonita, a começar pelo frontispício em granito ricamente trabalhado, onde se destaca o nicho com uma imagem de S. Amaro. A sua torre sineira, quadrangular, com quatro sinos, rematada por uma cúpula, também é de granito. No interior é impossível não reparar nas pinturas do tecto e nalgumas imagens de grande dimensão bem como noutras muito antigas. O pavimento é em pedra tendo à vista as tradicionais divisões numeradas, para aí serem enterrados os fiéis. O tecto do corpo da igreja tem pintado o padroeiro, S. Amaro e nos cantos, os quatro Evangelistas. No tecto da capela-mor destacam-se os símbolos da Ordem de Malta (ou Hospitalários), na qual o concelho de Freixiel se encontrava incluído.
O padroeiro ocupa o ponto mais alto do altar-mor, ao centro. No lugar normalmente dedicado ao padroeiro, à direita do altar, está a imagem de S. José.
As imagens que se destacam pelo seu tamanho são a do Sagrado Coração de Jesus, Nossa Senhora das Dores e a do Senhor dos Passos. Esta última, tem dobradiças nos membros que lhe permitem adoptar uma postura no altar e outra no seu próprio andor, onde se apresenta de joelhos e com a cruz aos ombros. Nossa Senhora das Dores não apresenta as tradicionais 7 lanças no peito, mas elas existem. Uma das mais preciosas imagens presentes é uma que representa S. Roque, que se encontra na sacristia. Nossa Senhora de Fátima está representada por várias imagens.
É possível que este templo não seja o inicial. A corroborar esta ideia está o facto de, sobre a porta da sacristia estar grava a data de 1711, na porta do frontispício a de 1779, data em que a igreja terá sido construída. No arco da capela-mor está a data de 1834. Indica o ano em que foi pintado. Esta data faz também parte de uma inscrição pintada no tecto, no coro, fazendo alusão a obras, possivelmente pintura. Para completar este conjunto de datas, junto à porta lateral do adro está gravado o ano de 1951.
Os altares não têm todos a mesma antiguidade. Os do Sagrado Coração de Jesus, Senhor dos Passos e Nossa Senhora das Dores, foram feitos mais tarde, obrigando a tapar algumas janelas a fim de se aproveitar o espaço para a sua montagem. Foram pintados em 1874.

Continua aqui - À Descoberta de Pereiros 3/3

4 comentários:

euroluso disse...

Gostei de ver aqui a minha prima Helena. A mãe dela, a senhora Luisa, também tinha um tear!
Não concordo contigo quando, na postagem anterior, escreves que " vindos de Zedes, é impossível não repararmos na inospitalidade envolvente" dos Pereiros. Eu não sinto inospitalidade alguma, pelo contrário, sinto-me hipnotizado pela majestosa paisagem granítica do lugar; Lá, onde as fragas parecem falar,sinto-me como se estivesse a entrar num reino encantado, recheado de tesouros escondidos. Ainda em outubro passado, por altura das vindimas, para fotografar vindimadores na paisagem granítica, parei o carro nessa tal "inospitaleira" descida e rejubilei de alegria quando descobri que dois deles eram meus primos, sobrinhos da senhora Helena Borges!
Um abraço, daqui na Terra Fria raiota, onde um manto de neve gélida cobre tudo de branco há quase uma semana e nos enche interiormente de calor.

Anónimo disse...

Anonimo disse:

Fiquei com curiosidade em conhecer a aldeia de Pereiros. Nos meus tempos de estudante, tive amigos desta terra.

Ana Cristina Oliveira disse...

Parabéns pelo trabalho que esta a ser desenvolvido neste Blog é óptimo para quem está longe ter a oportunidade aceder a nossa aldeia e poder recordar em cada recanto o nosso passado.
Pereiros é uma aldeia maravilhosa com paisagens magnificas!

Raúl Figueiredo disse...

Ainda há duas semanas visitei uma vez mais a minha aldeia.
46 anos de ausência permanente em Lisboa, não me afastaram da terra que me viu nascer.
Quando chego ao "alto do termo" e vejo a tal "Majestosa paisagem granítica" que se depara em frente dos nossos olhos, sinto um aperto no coração.
Raúl Figueiredo