quinta-feira, 5 de abril de 2012

Trilho de Foz do Tua - 1 de Abril (1ªParte)

Não é mentira, aconteceu mesmo mais uma organização da Câmara Municipal desta vez em colaboração com a freguesia do Castanheiro, que levou mais de uma centena de pessoas a percorrer montes, caminhos e trilhos em redor de Tralhariz, Fiolhal e Castanheiro, todas da freguesia do Castanheiro.
Confesso que era um trilho que tinha muita vontade de fazer. Conheço muito melhor as aldeias, e o seu termo, situadas no planalto, do que as da ribeira, e por isso, foi um bom momento de Descoberta. Quase tudo seria novo.
Muito cedo já eu estava junto à Câmara Municipal em Carrazeda de Ansiães. Desta vez acompanhavam-me um colega e o meu filho mais novo que se iria estrear À Descoberta de um concelho que mal conhece, mas de que natural. O autocarro levou-nos até Castanheiro, em duas viagens.
A surpresa começou na Junta de Freguesia. A mesa, além de bem recheada estava arranjada de uma forma muito artística e profissional! Deu gosto ver! Se os olhos também comem, eu penso que me fartei só de olhar e tirar fotografias. O sr. Presidente da Junta, sempre alegre e prestável, deu as boas vindas e convidou para o mata-bicho. Nestas terras o vinho é algo de especial, mas é demasiado para mim, logo ao pequeno almoço.
 Distribuídos os bonés, pela Junta, foi a altura de nos deslocarmos para a igreja de S. Brás onde ia começar a caminhada.
A arqueóloga da Câmara Municipal fez uma apresentação do percurso, falando de alguns castros, abrigos rupestres e da Quinta da Ribeira. Considerou esta última como o maior centro de interesse do concelho, devido aos vestígios romanos, logo a seguir ao Castelo de Ansiães!
A caminhada começou. A igreja estava fechada e juntei-me ao grupo. O percurso descendente fez imprimir um ritmo que não era muito compatível com as minhas fotografias e, rapidamente, fiquei para trás.
Sempre tive esperança de conhecer, finalmente, a capela das Chãs, mas ainda não foi desta.
Chegámos a Tralhariz. Pelos campos havia muitas flores e na aldeia também. Mal deu tempo para respirar e já estávamos a descer por um trilho bastante interessante. O sumagre também abunda por aqui!
O percurso até à Quinta da Ribeira é algo de extraordinário! É um trilho estreito, quase invadido pela vegetação, ladeado por torga florida e outras espécies como o escambroeiro (nome local dado ao pilriteiro). Eu ficava por ali horas, mas, desde cedo percebi que era o último da caminhada. Os mais idosos não seguiram o mesmo percurso, estando possivelmente a fazer um percurso mais curto e menos perigoso.
 Chegados à Quinta, o percurso tornou-se ascendente mantendo-se assim até ao Fiolhal. Seria capaz de ficar fascinado com a paisagem, mas a barbaridade da barragem no rio Tua tira-me qualquer inspiração. As feridas já são bem visíveis, ao longo de vários quilómetros para montante.
Fiolhal foi a maior e melhor surpresa. A aldeia é linda, muito fotogénica. Um atropelo no percurso levou o meu grupo, éramos quatro, a fazer o percurso pelas ruas da aldeia em sentido contrário dos restantes. Não foi propriamente engano, foi antes intencional, para, desta forma, poder fazer algumas fotografias outros participantes na caminhada.
Passar por Fiolhal já justificava plenamente o suor já vertido. O dia estava bastante abafado. Estas terras são mais quentes do que o resto do concelho, por isso produzem o melhor néctar dos deuses.

Continua...

2 comentários:

TUAland disse...

Trilho de Foz do Tua!!!! Da foz do Tua nem palavra nem foto, de Foz Tua, idem!!! Mas que raio de freguesia que so engloba Castanheiro, Tralhariz, Fiolhal!!!! E Foz Tua não pertence??? E pena que haja essa discriminação com a terra e a sua estação que outrora fora o elo de ligação do concelho.

TUAland disse...

Foz Tua, sempre....